Delação Estranha da JBS

O crime compensa.
Publicado em 23/06/2017

Eu te convido a pensar um pouco a respeito desta delação da JBS.

Em primeiro lugar é importante dizer que nós concordamos que:

1- Lugar de bandido é na cadeia.

2- Delação premiada foi um grande avanço na nossa legislação.

3- Não devemos ter bandido de estimação. Portanto havendo provas contra Aécio, Lula, Dilma, Temer, seja lá quem for, o sujeito tem que ir preso.

Dito isto, vamos conversar um pouco sobre a JBS.

A JBS

Uma empresa que multiplicou seu faturamento por 40 em apenas 10 anos. Mas não por questão de capacidade empresarial dos seus donos.

JBS recebeu aportes do BNDES da ordem de 8 bilhões de reais. Para que não fosse necessária a devolução do dinheiro, seguindo taxa de juros padrão como qualquer empréstimo, O BNDES virou sócio da empresa, comprando 21% de suas ações. Uma jogada que vamos conversar com mais detalhes daqui a pouco.

Portanto, por 8.1 bilhões de reais o BNDES comprou 21% da empresa.

Segundo o estatuto social da JBS:

“Do saldo do lucro líquido remanescente após as destinações da reserva legal e reserva para contingências conforme determinado nas letras (a) e (b) acima, uma parcela destinada ao pagamento de um dividendo mínimo obrigatório não inferior, em cada exercício, a 25% (vinte e cinco por cento);”

Isto significa que 25% do lucro líquido da empresa será divido entre os acionistas. Como o BNDES possui 21% das ações, ele teria direito de receber 21% dos 25%, ou seja, 5,25% do lucro líquido da empresa.

O lucro líquido da JBS em 2015 foi de 4.6 bilhões de reais. Significa, então, que a parcela a ser distribuída em dividendos seria 1.15 bilhões de reais. Portanto, o BNDES teria direito a 21% disto, 241.5 milhões de reais.

Se você for precipitado, pode pensar:

Poxa, que ótimo negócio para o BNDES. Recebeu 240 milhões de reais em um ano.

Vamos pensar mais um pouco. 241.5 milhões de reais correspondem a 2,98% de 8.1 bilhões de reais. Na prática, o BNDES está recebendo menos de 3% por ano de “juros” sobre o capital que emprestou.

Se um empresário qualquer, pretender pegar um empréstimo de 1 milhão de reais, com o cartão BNDES, ele irá pagar uma taxa de juros MENSAL de 1.12%, conforme simulação feita no próprio site do banco. O que daria uma taxa anual superior a 14%.

Mas a JBS consegue seu empréstimo a uma taxa anual, considerando 2015, de 3%. Com um agravante:

Caso a JBS tenha prejuízo, não precisará pagar um centavo ao BNDES. Porque o BNDES está assumindo o risco como um investidor comum. O Banco está usando o seu dinheiro, o meu dinheiro, para emprestar 8 bilhões de reais para uma empresa, sem garantia alguma, e correndo o risco de não receber um tostão de volta em caso de prejuízos contínuos ou falência.

Qual empresário não constrói um império dessa forma?

Agora sim, vamos falar sobre a delação dos proprietários da JBS.

Apenas do BNDES eles receberam bilhões de reais. Doaram dinheiro para campanha de 1829 políticos. A empresa conseguiu eleger 179 deputados e 28 senadores. É impossível conhecer, nesse momento, quantas foram leis aprovadas para beneficiar a empresa. Por exemplo, na delação, foi informado que houve pagamento de 20 milhões de reais para o Eduardo Cunha por conta da tramitação da lei de desoneração para o setor de frango.

Ou seja, esta empresa sugou o dinheiro público de todas as formas possíveis e imagináveis. Se transformou em um império que tem faturamento bruto de mais de 170 bilhões por ano.

Os donos fazem uma colaboração premiada … e ficam completamente livres! Sequer irão usar tornozeleira eletrônica. Os sócios pagarão de multa, como pessoa física, 225 milhões de reais. E a empresa pagará, talvez, 11 bilhões de reais em acordo de leniência no decorrer de dez anos.

A empresa fatura 170 bilhões por ano e irá pagar pouco mais de 1 bilhão por ano, nos próximos 10 anos. Os sócios irão pagar, como pessoa física, menos do que retiram de dividendos em 1 ano.

E assinaram acordo, conforme veiculado, que o tornam livres e IMUNES em relação a TODOS OS OUTROS PROCESSOS que podem surgir das operações da polícia federal relacionadas aos fatos que delataram.

Isso está muito fora da curva. Nenhum outro delator teve um acordo tão bom. Perceba que eles sequer irão usar tornozeleiras. Eles estão, inclusive, fora do Brasil.

Considerando que 179 deputados e 28 senadores receberam dinheiro da empresa e, ao que tudo indica, houve contra-partida de, pelo menos, uma parte deles, podemos facilmente supor algumas dezenas de casos de corrupção ativa. Considerando toda a gama de crimes que eles cometeram, pegariam mais de 100 anos de cadeia.

Mas estão livres!

Roubaram bilhões do dinheiro público, corromperam políticos, compraram leis, ajudaram a afundar o país. Como punição, irão pagar, por ano, 0.6% do faturamento anual da empresa (1 bilhão por ano) e os sócios pagarão 225 milhões de reais.

E todo o império construído com ajuda do nosso dinheiro, continuará gerando mais de 170 bilhões por ano.

Eu sou completamente favorável à colaboração premiada. Foi um avanço sem precedentes no combate à corrupção. Mas o bandido tem que pagar. Colaboração premiada não pode ser Roubalheira premiada. O Bandido tem que ter redução de pena, claro. Mas não pode, em hipótese alguma, ser uma eliminação de pena.

O Aécio Neves foi gravado em várias situações não republicanas. O Temer também. Lula e Dilma, conforme o colaborador, tinham contas de mais de 300 milhões de reais junto à JBS. Ok. Tudo isso é importante. Tudo isso vai ajudar muito nas investigações.

Mas o bandido tem que ser punido.

O ministério público tem que explicar melhor os termos desta delação. Os termos destas delações, depois de homologadas, tem que ser justificados.

Essa delação da JBS ficou com um cheiro muito estranho.

Talvez seja de seu interesse
8,18 ms